Sobre /

Sobre SAHA

Sistemas computacionais centrados no Ser Humano compõem uma nova área que coloca o homem como elemento central da funcionalidade de um sistema. Neste trabalho, apresentamos um sistema deste tipo que tem por objetivo monitorar Atletas de alto rendimento através do acompanhamento das variações de suas condições fisiológicas durante o treinamento e ao longo do tempo. Um modelo conceitual de dados para trajetórias de objetos móveis no espaço foi adaptado para representar as variações em um espaço virtual das condições fisiológicas observadas, formando o que chamamos de trajetórias metafóricas. Esse sistema permite registrar e analisar as trajetórias metafóricas de diferentes elementos, tais como batimento cardíaco, glicose, lactose e mesmo, a variação do estado psicológico do atleta. O modelo de trajetória metafórica suporta análises interessantes que variam no tempo, colocando em evidência o comportamento orgânico de diferentes atletas de mesma modalidade, influenciando o planejamento nutricional e de treinamento dos mesmos. Atualmente, o sistema está sendo utilizado pelo Comitê Olímpico Brasileiro.

Obter os três primeiros lugares em um pódio olímpico exige mais do que talento e treinamento. Recentemente, o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) declarou seu objetivo de colocar o Brasil, até 2016, entre os dez primeiros países no quadro geral de medalhas olímpicas. Para atingir esse objetivo, o COB criou o Laboratório Olímpico (LO) com sede no Rio de Janeiro. O LO é o primeiro Centro Olímpico de Pesquisa Latino-Americano e tem como finalidade integrar diferentes áreas da ciência, visando aplicar técnicas multidisciplinares para aumentar o desempenho dos atletas. Este laboratório é um exemplo típico do que se tem chamado de Computação Centrada no Homem (Kling, 1997). A partir de dados de atletas coletados durante seu período de treinamento, pesquisadores do LO investigam características físico-bioquímicas que possam melhorar seus resultados. Neste sentido, diversas medições são realizadas com o atleta, incluindo a coleta de sangue para análise, anotações da frequência cardíaca e tabelamento do próprio atleta sobre sua alimentação. A visão centrada no atleta pretende integrar e analisar essas informações conforme sua variação durante os treinos e ao longo do período de preparação para competição.